16 de jul de 2011

Todo Mundo, Alguém, Qualquer Um, e Ninguém


Era uma vez quatro pessoas que se chamavam “TODO MUNDO, ALGUÉM, QUALQUER UM e NINGUÉM”.

Havia um importante trabalho a ser feito, e “TODO MUNDO” acreditava que “ALGUÉM” iria executá-lo.

“QUALQUER UM” poderia fazê-lo, mas “NINGUÉM” o fez.

“ALGUÉM” ficou indignado com isso, porque entendia que sua execução era responsabilidade de “TODO MUNDO” e “TODO MUNDO” pensou que “QUALQUER UM” poderia executá-lo, mas “NINGUÉM” imaginou que “TODO MUNDO” não faria.

Moral da história: “TODO MUNDO” culpou “ALGUÉM” quando “NINGUÉM” fez o que “QUALQUER UM” poderia ter feito.

Ilustração de domínio público.