8 de set de 2011

Doutrina escrita da CCB – O Sectarismo


 “O Senhor nos guiou em que só sejam considerados nossos irmãos aqueles que se batizam entre nós. Na Obra de Deus não temos parentes nem amigos, todos somos iguais e quem não está na doutrina não é considerado como irmão nem tem liberdade nos cultos”. – (Tópicos – Assembleia de 28 a 31 de março e 1º de abril de 1961) – grifos nossos.

INTRODUÇÃO E CONCEITO

Sectarismo, segundo a definição dos dicionários é: Espírito de seita; partidarismo.

Nesse pequeno artigo estaremos tratando sobre o sectarismo da CCB, registrado nos tópicos de ensinamentos de diversas assembleias anuais realizadas pela liderança dessa agremiação religiosa. Esses ensinamentos se tornam na prática à doutrina da CCB.

Iniciamos com um trecho da carta do fundador da CCB, Louis Francescon, escrita para a Assembleia de 1961:

● CARTA DO SERVO DE DEUS IRMÃO LOUIS FRANCESCON

Por ocasião destas reuniões gerais foi lida que bastante confortou a quanto ouviram a seguinte carta desse servo de Deus: Fevereiro 20, 1961.

“L. Francescon aos meus caros irmãos anciães, cooperadores, diáconos e administradores presentes à reunião anual que tendes em 29 de Março a 1º de Abril próximo na cidade de São Paulo. A Paz de Deus seja multiplicada. Com a ajuda de Deus vos posso enviar também neste ano estas poucas linhas, no geral, baseadas nas Sagradas Escrituras, afim de que vosso progresso em tudo cresça num templo santo ao Senhor...”

● PREGADORES ESTRANHOS A NOSSA FÉ

Em hipótese alguma jamais devemos convidar ou permitir que pregadores de outras denominações ou de seitas se levantem perante o povo de Deus para pregarem a Palavra em nossas casas de orações. Se porventura se levantassem e lançassem entre a irmandade uma doutrina estranha, o único responsável seria o servo de Deus que, desmazeladamente cedeu o seu lugar a quem não devia. Os servos de Deus são suficientes para explicar as coisas de Deus, não obstante algumas vezes a astúcia do adversário. Veio a nosso conhecimento que Americanos de seitas dizem que precisam estudar um meio de se infiltrar na Obra de Deus no Brasil; todavia as suas manobras são conhecidas e que já ocorreu quando um, tentou assim fazer na casa de oração do Brás, quando o Senhor guiou um seu servo para impedi-lo. Isso é importante para os irmãos anciães que tem grande responsabilidade pelo rebanho e pela Obra de Deus. Não se pode dar entrada em nosso meio de pessoas estranhas à fé, quer de seitas, quer políticos. Nessa última parte em especial o povo de Deus é livre, entretanto nunca deve apoiar àqueles que negam a existência de Deus.

Não se respeita a qualidade da pessoa, não se dando liberdade a quem quer que seja estranha a fé e a doutrina da Congregação. Nada temamos, pois Aquele que está conosco é superior a todos e o Senhor nos tem posto como atalaias. Ele nos guarda dos destruidores, especialmente daqueles que arruinaram a Obra de Deus na Itália, na Argentina e na América do Norte. Esses grupos de Americanos, afirmam que não saíram dos fundamentos no entretanto sabe-se que, em tudo se afastaram do que o Senhor deu por revelação a seu servo ensinar. Vemos como é diferente o nosso espírito e o que os domina: nós oramos constantemente para que Deus os abençoe e os ilumine e em contraposição eles estudam meios a fim de destruírem a Obra de Deus. (TÓPICOS – ASSEMBLÉIA DE 28 A 31 MARÇO E 1º DE ABRIL DE 1961).

COMENTÁRIO APOLOGÉTICO

Num “show” de extremismo e sectarismo separatista, Louis Francescon, o fundador da CCB, se levanta contra os irmãos em Cristo de outras denominações evangélicas taxando-os de “seitários” e destruidores.

Engana-se quem pensa que o fundador da CCB não era sectarista. Na verdade seus escritos demonstram que ele foi o primeiro disseminador do sectarismo gritante da CCB. Esse falso profeta afirma que seus ensinamentos sectarista têm base na Bíblia Sagrada.

Ele condena todos os que não obedecem a “doutrina” que ele diz ter recebido de Deus por revelação, como se Deus só revelasse as coisas para ele e a Bíblia não tivesse valor algum.

Nós devemos obedecer às doutrinas da Bíblia, e não aos ensinamentos sectaristas de um “visionário” que se acha único profeta infalível de Deus.

FREQUENTAR SEITAS

Tem existido no meio da irmandade irmãos que não se satisfazendo, aliás, acham talvez, que o que o Senhor envia pelo Espírito Santo nas congregações não é suficiente para saciar suas almas buscando assim ser alimentados pela sabedoria humana, frequentando seitas onde predomina o saber e a ambição do homem. Até no espiritismo tem ido irmãos nossos; aquele que iluminado pelo Espírito Santo deve saber discernir a moeda falsa da verdadeira.

Sabemos por quem somos guiados e quem opera em nosso meio; todavia, não é possível ser admitido que nossos irmãos frequentando seitas e denominações estranhas a nossa fé possam ser considerados nascidos da água e do espírito como um fiel que tem aceito o Senhor nosso Jesus Cristo como o seu único e Pessoal Salvador. Assim deve tais irmãos ser exortados com veemência e, si porventura não renunciarem a tais hábitos, não serão mais considerados como irmãos e impedidos assim da comunhão da Igreja. Existem irmãos que tem em si o desejo de ser pregadores, não possuindo para tal o Dom de Deus, em casos tais alguns tem ido para seitas onde lhe dão a liberdade desejada. Devemos nos guardar desses espíritos de ambição e inveja, pois mais tarde ou mais cedo o Senhor esclarece o que se encontra no coração daquela pessoa. (TÓPICOS – ASSEMBLÉIA DE 28 A 31 MARÇO E 1º DE ABRIL DE 1961)

COMENTÁRIO APOLOGÉTICO

Nesse tópico herético a CCB afirma que quem vai à outra denominação evangélica (seita – segundo eles) é alimentado por sabedoria humana, negando com isso as palavras de Jesus que disse que onde estirem dois ou três reunidos em Seu Nome Ele estaria ali (Mateus 18:20), e também que o Espírito Santo se move onde quer e inspira os pregadores de outras igrejas a pregarem a Palavra de Deus.

Também afirmam que pessoas que frequentam outras denominações ou seitas (como eles chamam as outras igrejas) não podem ser consideradas nascidas da água e do espírito, ou seja, um verdadeiro convertido.

Heresia absurda de falsos profetas que não conhecem as Escrituras nem o poder de Deus, pois a Palavra de Deus ensina que a todos quantos receberam a Cristo deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus. (João 1:12).

Fiquemos, portanto com o ensino das Santas Escrituras, e não com o ensino herético e sectário da CCB.

● CONSELHOS EM CONTINUAÇÃO A PREGAÇÃO – 1964:

…O Senhor preparou um povo Seu, especial, zeloso e de boas obras. Completar-se-ão 54 anos que Ele iniciou esta gloriosa Obra em nosso país.

…Paralelamente a isso inúmeras são cartas que nos enviam convidando a que nos unamos com denominações. Nunca as respondemos. A igreja de Cristo jamais se unirá com seitas ou organizações de espécie alguma, permaneceremos sobre este fundamento: Cristo Jesus. Ele é a Cabeça deste glorioso corpo, que é a Sua Igreja. Ele a governa e dirige pelo Espírito Santo. Por isso é que esta Obra aumenta, progride. O Senhor realiza tudo por nós.

Não possuímos propaganda, não temos pregações em praças públicas. Os servos de Deus não têm estudos de seminário; não damos dízimos e nem pagamos salários aos pregadores. -… Se quebrássemos essa união e ligássemos a organizações humanas, o Senhor se retiraria de nós. Ele não precisa de nós. (TÓPICOS – ASSEMBLÉIA DE 25 A 27 DE MARÇO DE 1964).

COMENTÁRIO APOLOGÉTICO

É um absurdo dizer que Deus preparou um povo Seu apenas em 1910, ou seja, apenas há 54 anos antes dessa declaração herética da CCB!!!  Eles se acham muito “santos” e únicos detentores da verdade.

Monopolizam a salvação e privatizam a graça de Deus. Vangloriam-se em dizer que não se unem com outras denominações.

Se auto intitulam como única Igreja de Cristo, e afirmam que a “igreja de Cristo” (entenda-se eles – A CCB) jamais se unirá com seitas ou organizações, desprezando assim o fato de que as outras denominações também fazem parte da única Igreja – Corpo Místico de Jesus Cristo.

Condenam o fato de os evangélicos estudarem em seminários teológicos, darem dízimos e assalariarem os pastores, porém a Bíblia é a favor do estudo bíblico (II Timóteo 2:15), e existem bases bíblicas para a instituição do dízimo como contribuição (Malaquias 3:8-10) e para o salário dos pastores (I Timóteo 5:18, Lucas 10:7).

Presunçosamente, e numa atitude de juízo temerário, afirmam que se se unissem com as demais denominações que assim o fazem, Deus se retiraria deles, o que significa que eles creem que Deus não está nas outras igrejas evangélicas.

... quanto ao que já foi falado sobre as denominações evangélicas, de fato inúmeras são as propostas para que nos unamos. Mas a resposta nossa tem sido sempre a mesma. Não nos uniremos com denominações alguma e, assim lhes temos sempre fechado às portas. Não desprezamos ninguém, porém, queremos nos conservar livres. Em nosso meio existem pregadores e até pastores que aceitaram esta graça. Mas não vieram para pregar, e sim para estarem assentados ouvindo somente a Palavra que Deus dispensa a Seu povo. (TÓPICOS – ASSEMBLÉIA DE 25 A 27 DE MARÇO DE 1964).

COMENTÁRIO APOLOGÉTICO

Como são dissimulados esses fariseus falsos profetas!

Dizem que não desprezam ninguém, mas na verdade não apenas desprezam como julgam e condenam as outras igrejas evangélicas.

Dizem que tem sempre “fechado às portas” para as outras igrejas.

Ainda bem que o Senhor Jesus, Salvador dos verdadeiros cristãos, não despreza e nem fecha a porta para ninguém que o recebe como único e suficiente salvador pessoal.

Quanto a essa herética organização religiosa, falsamente cristã, podemos dizer que não praticam as virtudes cristãs ensinadas na Bíblia, como: o amor, a comunhão dos santos e a unidade do Espírito.

● APÓSTATAS DA FÉ – MARINGÁ, ESTADO DO PARANÁ.

O servo de Deus que atende a esta Congregação trouxe-nos a notícia sobre a rebelião promovida por um pequeno grupo de pessoas que eram nossos irmãos, porém se deixaram iludir pelo adversário.

Começaram a estudar materialmente a Bíblia tendo sido tomados por um espírito de engrandecimento que os leva a menosprezar os servos de Deus. Blasfemam contra a Sã Doutrina e contra as cousas santas de Deus. Utilizam-se também da liberdade de se levantar perante o povo para lançar doutrinas totalmente estranhas, intentando dividir a Obra de Deus. Tendo sido chamados e admoestados diversas vezes pelos irmãos anciãos, não acataram e não se humilharam; antes continuam a promover a dissolução no meio da irmandade. Em reunião do Conselho de irmãos Anciãos realizada a 25 de março de 1964, deliberou fazer-se uma circular excluindo essas pessoas, nome por nome, de membro da irmandade, aliás, da Congregação. Que ninguém os receba e nem tenha parte com eles, pois colocam-se no lugar de Core, Datham e Abiram, que se rebelaram contra o servo de Deus Moisés, e a terra abriu sua boca e os engoliu e vivos desceram ao sepulcro. “Números 16; 1/35”.

A palavra de pessoas que apostatam da Fé roerá como a gangrena; escapemos nossas almas evitando tais criaturas corrompidas.

Por Ricardo Adam, via NAPEC