20 de set de 2011

Se Deus é infinitamente bom, por que temê-lo?


Percy Bysshe Shelley, poeta inglês, 1792-1822, escreveu “The necessity of atheism” (A necessidade do ateísmo). Como crítico à religião, ele fez alguns questionamentos sobre ela. Darei nos próximos dias as respostas que julgo adequadas para quem pensa da mesma forma, ou até mesmo para que um cristão possa saber responder para um cético. Leia as Partes [02] [03] [04]

Pergunta: Se Deus é infinitamente bom, por que temê-lo? 

A bondade é um dos atributos de Deus, de fato. Mas não podemos enfatizar esta qualidade do Criador em detrimento de vários outros atributos que Ele tem, como, neste caso especial, a justiça. Deus é bom, mas também é justo. E ele não pode deixar de aplicar justiça a quem quer que seja; é esta a atribuição de um juiz. Se alguém foi bom, deve ter tratamento diferenciado de quem tem um péssimo comportamento. Nós, humanos, esperamos isto da nossa justiça terrena, quanto mais não esperaríamos da justiça perfeita do Senhor? O temor a Deus é o mesmo tipo de temor que enfrentamos quanto praticamos algo errado contra alguém – ficamos "em falta" com a pessoa prejudicada: tememos ser descobertos, tememos ser condenados, tememos ser punidos. E também temos temor de sermos tratados da mesma forma que agimos com os outros.

A consciência deste temor se acentua proporcionalmente à ética moral que seguimos. Todos nós, humanos, estamos "em falta"’ com Deus, o que é apropriado, pois todo pecado é, em última instância, contra Deus; um ato deliberado de rebelião obstinada. Afrontamos Aquele que nos deu a vida e que nos sustenta todos os dias em ações e pensamentos. Não temeríamos Aquele que tem a nossa vida e nosso destino eterno nas mãos e que tem todo o direito, se quisesse, de abreviar os nossos dias, ou ainda, deixar que ficássemos sem salvação e eternamente separados dEle? A Palavra diz que “o temor do Senhor é o princípio da sabedoria, mas os insensatos desprezam a sabedoria e a instrução” (Provérbios 1.7). Como não seria estupidez insultar a autoridade máxima do universo e achar que não seria ao menos censurado por isto? Deus executa Sua justiça, operando a ira, para todos aqueles que negarem o sacrifício de Jesus na cruz, que foi preparado pelo próprio Senhor, por causa da Sua misericórdia.

Entretanto, há um aspecto onde o temor pode ser interpretado como “respeito”. Apesar de que na sociedade ocidental atual o conceito de que os mais antigos, aquelas pessoas que viveram muito mais tempo e passaram por diversas experiências, não são dignos de terem voz ativa, o normal é que deveríamos ter reverência e atenção por estes que tem mais conhecimento da vida do que nós. Lhes é devido respeito, e atentar para seus conselhos. É claro que não é possível que todas as idéias e recomendações dos mais velhos sejam verdadeiras, até porque eles também são humanos, e a idade avançada não os coloca num patamar excelentíssimo de perfeição. A ideia por trás desta comparação é de que todos devem ter um zelo respeitoso por aqueles que têm mais conhecimento do que nós; e é aí que Deus aparece, sendo ele infinitamente bondoso e conhecedor de todas as coisas. Desta forma, é sábio aquele que teme ao Senhor, obedecendo os Seus mandamentos (Salmos 112.1).

Esta série continua.